Buscar
  • Claudia Vilas Boas

Transitoriedade

Muito se fala em desapego. Em praticar o desapego.

Refletindo sobre isso, conclui que um dos caminhos para se chegar a esse entendimento é compreender que tudo é transitório.

Se nos colocarmos como observadores de nossa própria trajetória, veremos o quanto de altos e baixos já enfrentamos.

Algumas vezes caímos para aprender a levantar e olhar a vida de outro ângulo.

A única coisa que temos é o agora. Os amanhãs são sempre incertos e tudo pode mudar em um segundo.

Vivemos como se fôssemos alpinistas, sempre buscando atingir o topo de nossa escalada.

Algumas vezes chegamos com facilidade, em outras caímos e recomeçamos incontáveis vezes.

E em tantos momentos quando atingimos um determinado patamar, escolhemos outro objetivo, desejamos conhecer outra montanha, atingir picos mais altos ou apenas diferentes.

A opção pode nos fazer descer e recomeçar uma nova escalada.

Essas tentativas, com o tempo, vão nos ensinado a transitoriedade de nossa existência. Isso nos traz muitas experiências e muitas formas de ver o mundo, por vários ângulos.

Ora no cume, ora no meio, no esforço da subida, ora no sopé, analisando as possibilidades para se chegar ao topo.

E em meio a tantas subidas e descidas vamos nos descobrindo, nos fortalecendo e ganhando confiança, principalmente em nós mesmos. Aproveitando cada progresso, por menor que seja.

Avançando e evoluindo a cada deslize.

Aprendendo, enfim, que a vida é um constante e maravilhoso escalar de montanhas.

#pracegover #pratodosverem Imagem de silhuetas de 3 picos, e de um alpinista escalando o mais alto, situado no lado direito da foto. Ao fundo um céu azul estrelado.


18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tropeços

Solte