Buscar
  • Claudia Vilas Boas

Intimidade

Atualizado: 15 de Ago de 2019

Muito além do que desnudar o corpo é desnudar a alma! É sentir-se à vontade para mostrar o seu pior ângulo, quem você realmente é. Sem tentar maquiar sentimentos e pensamentos.

Há quem desnude o corpo, enquanto sua essência, seu verdadeiro eu, permanece oculto e totalmente blindado. Não raramente convivemos diuturnamente e mesmo assim conhecemos somente a forma e sequer chegamos próximos do conteúdo.

Intimidade é saber entender cada palavra dita nos momentos de profundo silêncio do outro. Porque há silêncios que gritam! Porém esses gritos não são captados pelos sentidos normais. A conexão se dá através dos sentidos emocionais, da ligação afetiva em que nossos sentidos estão completamente aguçados em relação ao outro, nenhuma nuance passa despercebida. A sintonia é quase perfeita.

Intimidade é ver a tristeza atrás do sorriso, o pedido de ajuda implícito naquele “estou bem”. É saber identificar no timbre da voz que algo não está como deveria estar.

Intimidade não permite rodeios, porque se enxerga além das atitudes e se ouve além das palavras.

É a dor escancarada sem vergonha de ser julgado, é o riso frouxo sem temer parecer bobo.

Intimidade é troca, é parceria, é colo e abrigo. É a alma exposta sem medo de ser ferida!

E isso se aplica a todo tipo de relacionamento afetivo, seja ele familiar, de amizade ou amoroso.

Mas intimidade não se confunde com invasão da privacidade alheia. Muito pelo contrário, quando há muita intimidade sabemos exatamente até onde podemos ir. Os limites são conhecidos e respeitados, não se ultrapassa o intransponível.

Pois como tudo na vida, tem que haver equilíbrio. Sempre teremos que resguardar algo de nós que seja só nosso, uma pequena dose de mistério, nossos devaneios e nossas secretas loucuras imaginárias que nos preservam a sanidade e nos salvam da rotina.

#pracegover imagem da sombra de um casal de mãos dadas refletida no chão.


65 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tropeços