Buscar
  • Claudia Vilas Boas

Idolatria

Algumas pessoas são dignas de admiração, por seus dons, talentos, postura, valores, comportamento entre outras coisas.

Contudo, temos que fugir dos riscos da idolatria.

A idolatria, assim como o medo, nos faz perder a noção de realidade. Nos afasta da verdade para interagir com a ilusão.

Enquanto se vive a fantasia tudo nos parece lindo e brilhante, porém, invariavelmente, mesmo que demore muito para acontecer, em algum momento essa névoa se desfaz, e a verdade nua e crua se materializa à nossa frente.

As consequências podem ser trágicas, pois muitos não têm estrutura emocional para suportar a realidade, embora a verdade seja sempre a melhor opção.

Quantos ídolos de barro já vimos serem derretidos nas enxurradas da verdade? Sendo desnudados e suas verdadeiras intenções sendo expostas.

Não há nesse nosso mundo uma única pessoa digna de idolatria! Somos todos humanos, portadores de defeitos e qualidades. Estamos todos muito aquém do que se poderia considerar perfeito.

Todos temos sempre algo a ser melhorado.

É importante que valorizemos as boas atitudes, os bons exemplos, os lindos talentos, mas não podemos perder de vista a noção de que somos apenas pessoas.

Seres lutando, cada um com suas armas e ferramentas, limitados pela sua própria velocidade, para atingir o seu propósito na vida.

Os que conquistam suas vitórias, de forma honesta, pelos seus méritos, merecem os aplausos. Contudo, não devemos nos esquecer de que admiração é diferente de idolatria.

Enquanto a admiração nos estimula a desenvolver nossos potenciais e também alcançar nossos objetivos, a idolatria nos coloca em uma posição de inferioridade, como se o objeto adorado estivesse em um patamar inatingível, quase sobre-humano. E isso não é saudável.

Pois, onde não há equilíbrio os sentimentos tornam-se doentios.

Que nós possamos amar cada um que nos faz sentir alegria, emoções, entusiasmo. Que fazem nosso coração vibrar e nossos olhos brilharem. Amá-los como pessoas talentosas, mas seres tão humanos e tão extraordinários como cada um de nós.

#pracegover ilustração em preto e branco de uma mulher nua, com os cabelos escuros presos em um rabo de cavalo, sentada sobre um enorme pedestal, em meio a vários pedestais menores, com o corpo inclinado para frente e o rosto entre as mãos. Em um pedestal mais baixo uma silhueta feminina, em pé, de braços abertos a admira. Ao fundo, construções metálicas, com cúpulas arredonadadas.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Tropeços